Pages

O Instituto de Previdência do Estado de Roraima (IPER) concedeu, no primeiro semestre deste ano, mais de 220 benefícios previdenciários, entre aposentadorias e pensões. Esse número representa quase o triplo dos benefícios concedidos no mesmo período, em 2019. A organização, a desburocratização e a criação de um fluxograma mais simples e uma lista de documentos mais enxuta deram celeridade aos processos.

Para a Presidente do IPER, Adriana Padilha, o resultado não poderia ter sido melhor. “Em meio à pandemia causada pelo Novo Coronavírus, mesmo com a adoção de algumas medidas de prevenção, como a suspensão do atendimento presencial e o teletrabalho, conseguimos conceder 101 aposentadorias nos meses de abril e maio”, disse ela.

O excesso de burocracia prejudicava, principalmente, o andamento dos processos de concessão de aposentadorias. De acordo com o Diretor de Previdência, Marlisson Lobato, foi feita uma revisão no fluxograma e na lista de documentos. “Percebemos que exigíamos mais do que o próprio Tribunal de Contas do Estado, para o qual o parecer jurídico não era mais uma exigência. Fizemos o mesmo no Instituto. Agora, é necessária apenas uma manifestação do Controle Interno. Entendemos que a aposentadoria é um ato vinculado. Se o servidor preenche todos os requisitos, não há razão para não concedermos o benefício”, explicou ele.

O IPER também está investindo em informatização para que o Instituto seja cada vez mais eficiente. “Estamos integrando o nosso sistema com o da SEGAD, responsável pela folha de pagamento dos servidores estaduais, e com os dos demais poderes. Dentro de alguns dias, a planilha de cálculos será feita automaticamente pelo programa”, revelou o Diretor de Previdência.

A fórmula é simples. Reduzir o tempo médio de concessão para conceder mais benefícios. “Estamos em contínuo aperfeiçoamento. Os problemas existem mas nós estamos atentos e sempre em busca de soluções para atender com excelência os nossos segurados”, finalizou Marlisson Lobato.